Recuperação de Dependentes Químicos e Alcoolistas

DEPOIMENTOS DE VIDAS TRANSFORMADAS

Meu nome é Cíntia e experimentei álcool e drogas ainda muito jovem. Aos 13 anos já bebia cerveja, aos 15 aprendi a fumar cigarros e aos 16 fumei o primeiro cigarro de maconha.

Como fumava cigarro escondida no banheiro da escola, uns "amigos" puseram maconha deram-me para fumar.

Naquele dia fui fisgada e desde então, fumava diariamente. Deixava de assistir às aulas na escola para beber e fumar com eles.

Fui uma adolescente rebelde, não respeitava autoridades, não gostava de regras ou limites, apesar de ter sido criada dentro dos preceitos bíblicos. Meu pai e minha irmã mais velha sendo cristãos tentavam me orientar no caminho certo, mas a vontade de conhecer o mundo e a liberdade me fascinava.

Aos 20 anos fui morar com um namorado, ia poucas vezes à casa dos meus pais e o consumo de drogas e álcool iam aumentando, com isso o vazio e a depressão foram tomando conta de mim.

Aos 25 fui morar em Rio das Ostras pensando que desta forma poderia me afastar de tudo que me atraía para o consumo de drogas e álcool, mas o problema não era geográfico, mas na alma. Passei a usar drogas mais pesadas e o consumo de álcool aumentou, já estava dependente do álcool também e de cocaína.

Um dia, drogada num bar, uma pessoa que bebia comigo (esta pessoa era espírita) me disse que em todo tempo em que ela me olhava via um homem de branco me guardando em tudo, que ele não deixava nada de mau me acontecer, e que eu deveria ser mais grata a ele. Naquela hora tive a certeza de que Jesus pessoalmente cuidava de mim.

Apesar de querer muito a libertação não tinha forças para sair daquela situação; os amigos que comigo usavam drogas diziam que para mim não teria jeito, que eu era a pior de todos e que se tivesse jeito para mim teria para qualquer um também; mas eu desejava ser liberta e sentia muita falta da presença do espírito Santo.

Numa noite como todas as outras, de drogadição, eu recebi uma ligação de uma tia, esposa de Pastor me dizendo que sua filha, minha prima, tivera um sonho comigo e que eu fosse para um lugar reservado que ela queria orar por mim.

Fui para o banheiro do bar de onde eu estava me ajoelhei no chão e ali ela fez uma oração e revelou-me que sua filha havia tido uma revelação de que eu seria assassinada.

À partir daquele momento senti que algo diferente estava acontecendo, a batalha espiritual era muito forte, eu ouvia gargalhadas que me causavam pavor.

Minha família ficou muito preocupada, pois sabiam que o perigo era iminente.

Nesta época, minha irmã foi a Friburgo e passando por Cachoeiras de Macacu, avistou uma placa que trazia um anúncio sobre uma Comunidade Terapêutica, anotou o telefone e agendou uma visita. Sem eu saber, me ofereceram ajuda e eu caí em mim e reconheci-me fracasso e derrota perante as drogas e o álcool.

Havia sido realmente derrotada por elas, e sabia que se morresse sem salvação, iria para onde eu sempre tive pavor.

No dia 18 de setembro de 2007 dei entrada para o tratamento no Esquadrão da vida, lugar que marcou minha história de vida, foi um divisor de águas para mim. Lugar onde me reencontrei com O Senhor e onde começou o processo de restauração espiritual, física e psíquica em mim.

Após 6 meses, de muitas lágrimas e muito esforço, aprendi a respeitar autoridades, conhecer limites, me amar e reconhecer valores, antes distorcidos pelo vício.

Na mesma semana me matriculei na Universidade, onde concluí o curso de Letras com habilitação em língua inglesa, fui abençoada com uma bolsa de estudos para um excelente curso de inglês, restabeleci minha comunhão com meus pais e familiares e fui reconquistando a confiança das pessoas e minha dignidade.

Hoje congrego na Igreja do Nazareno Central de Nova Iguaçu, Pastores Luiz Lima e Laudelina. Tenho frutificado para honra e glória do Senhor Jesus.

Sou feliz, liberta e curada.

Minha vida tem sido um testemunho vivo para outras pessoas que passam pela mesma dificuldade.

Sou grata a Deus por sua infinita bondade e misericórdia, por me amar tanto sem eu merecer, por me guardar e me dar uma nova chance de vida.

À família Esquadrão, pelo amor que derramaram sobre minha vida, serei grata enquanto eu viver sobre esta terra, por todo carinho demandado à mim e aos que por ali passam precisando de ajuda.

Grata aos meus pais, Léa e Edison que com amor me ajudaram nesta fase tão difícil de minha vida, por todas as orações e por me receberem de volta, como o filho pródigo na passagem bíblica.

À minha irmã Viviane, ao meu cunhado Wagner e à minha sobrinha Mariana, que foram às visitas mensais, e quando tive alta não me abandonaram, mas incentivaram em tudo.

Que este testemunho possa alcançar corações sem esperanças, que através destas linhas, a graça e a misericórdia de Deus os alcancem, assim como um dia fui alcançada.

Deus os abençoe a todos!

Cíntia